Obras de Arte | Grandes artistas internacionais | Coleção CEPROVI

Obras de Arte | Grandes artistas internacionais | Coleção CEPROVI
Modalidade: Online
Local do leilão:
Leilão: Corporativo
ID: 2900
  Abertura Fechamento Lance Inicial
Leilão 11/08/20 às 16:00H 11/09/20 às 16:00H Confira nos lotes
Alberto Burri - Óleo sobre tela - A arte do espelho (Original Art The Mirror)

Lote 00001

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 480.000,00
Incremento R$ 5.000,00
Lances 0 Visitas 201
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Alberto Burri - Óleo sobre tela - A arte do espelho (Original Art The Mirror)
ALBERTO BURRI (ITÁLIA 1915–1995) O.S. MADEIRA – 60 X 36cm “Arte do espelho” (Oil Painting Original - Art The Mirror) Estamos diante de uma obra primorosa e de um artista com potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho. Obra em bom estado de conservação. A arte do pós-guerra e a arte contemporânea são hoje os dois segmentos que mostram os aumentos mais fortes de preços no curto, médio e longo prazos. Esses dois períodos de criação desfrutam de demanda exponencial que a oferta é capaz de acompanhar. Por outro lado, os outros períodos da criação sofrem uma diluição gradual dos preços: à medida que as principais obras de alta qualidade se tornam cada vez mais raras, a qualidade geral das obras disponíveis inevitavelmente tende a diminuir. PESQUISA DE VENDA E FONTES DE PESQUISA A arte do pós-guerra e a arte contemporânea são hoje os dois segmentos que mostram os aumentos mais fortes de preços no curto, médio e longo prazos. Esses dois períodos de criação desfrutam de demanda exponencial que a oferta é capaz de acompanhar. Por outro lado, os outros períodos da criação sofrem uma diluição gradual dos preços: à medida que as principais obras de alta qualidade se tornam cada vez mais raras, a qualidade geral das obras disponíveis inevitavelmente tende a diminuir. Pesquisado leilão em 2008:  https://www.fondazioneburri.org/en/alberto-burri.html SOBRE A AVALIAÇÃO  O artista foi relacionado no 39° lugar na classificação denominada de “top 50” no ano de 2016, conforme classificação que acompanha a presente avaliação. Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para o ano de 2020 no valor de USD 5.000.000 (cinco milhões de dólares americanos). RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.  
Frederick Childe Hassam - Óleo sobre tela 45 x 37

Lote 00002

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 480.000,00
Incremento R$ 5.000,00
Lances 0 Visitas 128
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Frederick Childe Hassam - Óleo sobre tela 45 x 37
FREDERICK CHILDE HASSAM  (EUA 1859 – 1935)  O.S. Tela – 45 x 37 cm Frederick Childe Hassam (1859-1935) foi um pintor impressionista americano pioneiro, cujo trabalho sempre manteve um sabor definitivamente nativo. Nasceu em Dorchester, Massachusetts, em 17 de outubro de 1859. Ele se interessou cedo por arte e, em vez de ir para a faculdade, foi trabalhar em uma loja de gravadores de madeira em Boston. Aqueles foram os grandes dias da ilustração americana, e logo seu trabalho apareceu em todos os tipos de revistas. Durante as noites, desenhava nus no Boston Arts Club e, nos fins de semana, trabalhava ao ar livre com pintores de paisagens. Ele logo teve seu próprio estúdio e seus próprios alunos. Em 1883, Hassam foi para a Europa por um ano. Em seu retorno, ele se casou com uma amiga de infância, Kathleen Maude Doane. O casal se mudou para Paris por 3 anos, onde Hassam ganhou a vida fazendo ilustrações de revistas e pintando quadros que ele enviou para casa para revendedores. Suas primeiras cenas nas ruas de Paris estão entre suas melhores obras. Ele continuou estudando na Académie Julian, mas sua pintura, impulsionada pelo crescente vento do impressionismo, logo se desviou do acadêmico. Assim que pôde, Hassam se dedicou inteiramente à pintura. Ele recebeu honras desde cedo - uma medalha de bronze na Exposição de Paris (1889) e uma medalha de prata em Munique (1892).  A obra está preservada, em bom estado de conservação. SOBRE A AVALIAÇÃO  Em virtude da história da vida e escassez de obras do artista há potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho. Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para o amo de 2020 no valor de USD 3.000.000 (três milhões de dólares americanos), podendo dobrar de valor. RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.  
Franz Lenk - Óleo sobre Tela 28 x 21

Lote 00003

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 180.000,00
Incremento R$ 2.000,00
Lances 0 Visitas 104
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Franz Lenk - Óleo sobre Tela 28 x 21
E. A. LENK ou FRANZ LENK (Alemanha 1898-1968)  O.S. Madeira 28 x 21cm Franz Lenk (21 de junho de 1898 Langenbernsdorf, Alemanha - 13 de setembro de 1968, Schwäbisch Hall, Alemanha) foi um paisagista e co-fundador do grupo “The Seven”.Depois de um aprendizado como pintor decorativo e litografia de 1912 a 1915. Franz Lenk estudou na Academia de Dresden em 1916. Lenk foi convocado para o serviço militar e, a partir de 1922, continuou seus estudos. Em 1928, Lenk foi co-fundador do grupo “Die Sieben” e em 1929 Lenk foi membro da Associação de Artistas de Berlim, membro da Secessão de Berlim em 1936 e membro da Academia Prussiana de Artes em 1937. De 1933 a 1936, Franz Lenk foi membro do conselho presidencial do Reichskammer der bildenden Künste. Também em 1933, ele foi nomeado professor da Escola dos Estados Unidos em Berlim. Em 1937, Lenk negou sua participação na Grande Exposição de Arte Alemã na Casa de Arte Alemã e proferiu sua palestra na United State School em protesto contra a difamação de seus colegas e contra a repressiva "política artística" do "Terceiro Reich". Em 1950, ele recebeu um trabalho de professor no Instituto Carnegie, em Pittsburgh. Em 1959, Lenk se estabeleceu no Schwäbisch Hall, onde se tornou o comissário cultural da cidade. SOBRE A AVALIAÇÃO  Estamos diante de uma obra com potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho. Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para o ano de 2020 no valor de USD1.500.000 (um milhão e quinhentos mil dólares americanos).  FONTE: LA COTE DES PEINTRES – 1985 a 2005 fls. 637  https://www.artprice.com www.akoun.com RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.  
Henri Rousseau - Óleo sobre tela  68 X 50 cm

Lote 00004

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 90.000,00
Incremento R$ 2.000,00
Lances 0 Visitas 105
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Henri Rousseau - Óleo sobre tela 68 X 50 cm
HENRI-JULIEN-FÉLIX ROUSSEAU (França - 1844- 1910)  O.S.Tela - 68 X 50 cm  HENRI-JULIEN-FÉLIX ROUSSEAU (Laval, 21 de maio de 1844 — Paris, 2 de setembro de 1910), conhecido também pelo público como o douanier (aduaneiro) por ter trabalhado como inspetor de alfândega, foi um pintor francês inserido no movimento moderno do pós-impressionismo. Henri Rousseau foi um importante pintor francês do movimento artístico pós-impressionista. É considerado pelos críticos e historiadores da arte como um dos principais representantes da Art Naif (arte ingênua) e do primitivismo. Henri Rousseau nasceu na cidade de Laval (França) em 21 de maio de 1944. Faleceu, aos 66 anos, na cidade de Paris (França) em 2 de setembro de 1910. Principais obras de arte (pinturas) de Henri Rousseau: Paisagem de Argel (1880) Passeio na floresta (1886) Uma noite de carnaval (1886) Autorretrato (1890) Surpresa! (1891) A Guerra (1894) Cigana dormindo (1897) O leão faminto se lança contra o antílope (1905) O encantador de serpentes (1907) A luta entre o tigre e o búfalo (1908) Paisagem exótica com macacos e um papagaio (1908) O sonho (1910) Floresta tropical com macacos (1910) SOBRE A AVALIAÇÃO  Em virtude da história da vida e escassez de obras do artista há potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho. Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para o ano de 2020 no valor de USD 1.000.000,00 FONTE: LA COTE DES PEINTRES – 1985 a 2005 fls. 927 https://www.artprice.com www.akoun.com https://pt.wikipedia.org/wiki/Henri_Rousseau https://www.wikiart.org/pt/henri-rousseau RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.  
Hector Hyppolite  - Óleo sobre madeira  84 X 52

Lote 00005

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 48.000,00
Incremento R$ 1.000,00
Lances 0 Visitas 113
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Hector Hyppolite - Óleo sobre madeira 84 X 52
HECTOR HYPPOLITE  (R. Dominicana-1894-1948) O.S. Madeira 84 X52cm Hector Hyppolite (1894-1948) era um pintor haitiano, de Saint-Marc. O talento de Hyppolite como artista foi notado por Philippe Thoby-Marcelin , que o trouxe para a capital do Haiti, Port-au-Prince, em 1946.  Hyppolite trabalhou no estúdio dirigido por Dewitt Peters , um aquarista e professor dos Estados Unidos que Chegou ao Haiti para ensinar a língua inglesa como parte da Política de Bom Vizinho .  Em 1944, Peters abriu um centro de arte na capital que forneceu materiais gratuitos. Antes de chegar no Center d'Art Hyppolite tinha pintado sobre papelão usando penas de frango e vendido para visitar os fuzileiros navais dos Estados Unidos porque ele não possuía pincéis. Peters notou primeiro o trabalho de Hyppolite em 1943 nas portas exteriores de um bar em Montrouis , que Hyppolite pintara com desenhos de flores e pássaros. André Breton , um líder surrealista , viajou para o Haiti em 1945 com o artista cubano Wifredo Lam . Lam comprou duas das pinturas de Hyppolite; Breton comprou cinco pinturas e escreveu sobre o trabalho de Hyppolite em Surrealismo e Pintura .  Embora Breton incluísse Hyppolite entre surrealistas, o trabalho de Hyppolite foi mais realista e religioso do que um esforço para reproduzir imagens de sonhos. No entanto, o respeito de Breton pelo trabalho de Hyppolite trouxe a pintura de Hyppolite e haitiano para um público mais amplo.  Em janeiro de 1947, a Hyppolite exibiu em uma exposição da UNESCO em Paris e recebeu uma recepção entusiasta. O escritor dos Estados Unidos, Truman Capote, elogiou a pintura de Hyppolite "porque não há nada nele que tenha sido transposto slyly". Hyppolite, um pintor prolífico, tipicamente retratou cenas Vodou e criou entre 250 e 600 pinturas nos últimos três anos de sua vida. Grande parte de seu trabalho foi influenciado por sua devoção ao seu trabalho como padre. No entanto, depois de se retirar de seu trabalho como houngan, seu trabalho refletiu os aspectos mais escuros da vodou haitiana. Ele morreu em cerca de 54 anos na capital do Haiti, Porto Príncipe. SOBRE A AVALIAÇÃO  Em virtude da história da vida e escassez de obras do artista há potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho. Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para o ano de 2020 no valor de USD 1.000.000,00 Pesquisado em https://www.artprice.com/artist., verifica-se que o valor das obras manteve sempre crescente. LA COTE DES PEINTRES – 1985 a 2005 fls. 523  https://www.artprice.com www.akoun.com https://www.bing.com Referências: Jane Turner, ed. (2000). Enciclopédia da Arte da América Latina e do Caribe . Macmillan Reference Limited. pp. 354-355.  Jacqueline Barnitz (2001). Arte do século XXI da América Latina . University of Texas Press. pp. 124-126.  Kristin G. Congdon e Kara Kelley Hallmark (2002). Artistas de culturas latino-americanas: um dicionário biográfico . Greenwood Press. pp. 108-110.  P. Schutt-Ainé, Haiti: um livro de referência básico , 113  Hector Hyppolite ". Arte latino-americana RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.
Frédéric Bazille - Óleo sobre tela 78x67

Lote 00006

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 49.000,00
Incremento R$ 1.000,00
Lances 0 Visitas 124
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Frédéric Bazille - Óleo sobre tela 78x67
FRÉDÉRIC BAZILLE  (FRANÇA 1841-1870)  O.S. TELA – 78 X 67 - Obra de 1870 Entre o grupo principal dos pintores impressionistas há um de seus representantes cujo nome terminou obscurecido em função de sua morte prematura. Era Frédéric Bazille, artista extremamente promissor que foi um dos tantos soldados franceses abatidos na Batalha de Beaune-la-Rolande, durante a Guerra Franco-Prussiana. Membro de uma família protestante de Montpellier, Bazille nasceu há 170 anos, em dezembro de 1841. Seu pai era um abastado representante da burguesia rural francesa, e o filho desde cedo foi encaminhado para o estudo de medicina. Já na adolescência, porém, ele inclinou-se para as artes, que desde cedo o interessaram. Ingressou na Escola de Belas artes local e passou a frequentar o estúdio do acadêmico Charles Gleyre. Um encontro importante em sua juventude foi com o crítico e colecionador de arte, Alfred Bruyas Montpellier, figura de grande importância no movimento artístico francês. Tendo exercido influência sobre o realista Gustave Corbet, ele influenciaria também a jovem geração impressionista. Este é um dado bastante significativo na relação de continuidade e ruptura que existe entre o realismo e o impressionismo. Além de Montpellier, que passou algo de suas idéias sobre a verdade na arte para a nova geração, o também influente Edouard Manet fora também discípulo de Courbet. A obra de ambos os pintores teria grande impacto sobre a pintura de Bazille. Pela influência precoce destes artistas, dois dos representantes mais radicais da pintura de sua época, Bazille também não tarda a abandonar o estudo acadêmico para se embrenhar, ao lado de seu amigo, Claude Monet, na floresta de Fontainebleau, ambos buscando pintar diretamente da realidade observada. Em 1864, estabelecido em Paris, Bazille monta um ateliê, que era então freqüentado por pintores como Boudin e Jongkind. Um ano mais tarde, ele divide um novo ateliê como Monet, que ajuda financeiramente. A estréia de Bazille no Salão Oficial se dá em 1866, com uma tela convencional e pouco expressiva, Natureza-Morta com Peixes. Este trabalho serve, porém, como demonstração de seu grande domínio da técnica já nestes anos. A partir deste ano, Bazille passaria a expor anualmente no Salão até o início da guerra, em 1870. Seus melhores trabalhos, no entanto, aqueles que desenvolviam mais acentuadamente as técnicas da nova pintura, não estavam entre as obras aceitas no Salão. Datam destes quatro anos as melhores pinturas de Bazille, trabalhos que revelam sua rápida evolução no sentido do impressionismo e indicam o grande pintor que ele poderia se tornar caso tivesse vivido mais tempo. Destacam-se aí obras como Hospital de Campo Improvisado, de 1865, mostrando Monet acidentado sobre uma cama, ou excelente quadro Reunião Familiar, mostrando um grupo ao terraço de uma residência de campo, obra tida como o mais expressivo exemplo do impressionismo de Bazille. Merecem destaque ainda suas paisagens marinhas realizadas entre 1867 e 68, ou um belíssimo retrato de Pierre-Auguste Renoir, onde o amigo aparece em uma pose de grande informalidade, totalmente avessa aos cânones da época e uma das marcas distintivas do impressionismo. A obra Banhistas, de 1869, é um dos melhores exemplos da adaptação dos impressionistas deste tema típico do academicismo e do romantismo francês, com suas cenas classicistas ou orientais. Nesta tela de Bazille, ele mostra um grupo vulgar de pessoas em trajes contemporâneos divertindo-se em uma tarde ensolarada. Em Toilet e Depois do Banho, ambas de 1870, Bazzille volta-se para os nus, apresentados também segundo a nova visão destes artistas, abandonando as idealizações buscando retratar as modelos tais quais eram na realidade. Estas telas finais, ao lado de trabalhos como Louis Auriol Pescando, revelam um artista que estava ingressando em sua fase de maturidade, com uma rápida evolução que acompanhava o desenvolvimento de seus próprios amigos, onde a luz tinha um papel cada vez mais preponderante no tratamento da imagem. Seu trabalho é encerrado a abruptamente em 1870, quando se inicia a Guerra Franco-Prussiana, resultado da escalada militarista impulsionada por Napoleão III.  A guerra foi lançada por um objetivo especificamente imperialista da burguesia francesa: impedir a unificação alemã e barrar seu desenvolvimento nacional e sua influência crescente sobre a Europa. Este conflito foi um acontecimento de grande importância na história do impressionismo.  Todos os membros do grupo, de uma forma ou de outra foram envolvidos pela guerra.  Degas, Renoir e Bazille ingressaram no Exército, Cèzanne retirou-se para Provença, e Monet, Sisley e Pissarro partiram para Londres – viagem importante que marcou sua descoberta da obra de Turner, que teria influência marcante no desenvolvimento geral da nova pintura. Para a França, a guerra foi um desastre completo. As tropas prussianas, mais bem preparadas, derrotaram os franceses em todas as frentes, encerrando a guerra após a esmagadora campanha em Sedan, na qual o próprio Napoleão III caiu prisioneiro nas mãos da Prússia.  Em setembro de 1870 a guerra estava encerrada, mas os conflitos se estenderam ainda durante alguns meses.  Depois de vencer em Sedan, as tropas de Bismarck marcharam em direção a Paris, onde montaram um cerco.  Parte das tropas ainda em campo são mobilizadas para tentar desbaratar o cerco e enfraquecer as posições prussianas.  É neste cenário que dá-se a Batalha de Beaune-la-Rolande, uma das mais vergonhosas da história da França. Nela, um batalhão de 60 mil franceses liderados pelo general Jean-Constant Crouzat deveriam avançar contra as posições prussianas nos arredores de Paris.  Os soldados de Crouzat enfrentam-se em novembro com um exército de apenas nove mil prussianos, e são vergonhosamente derrotados. Estima-se que entre mortos e feridos, a Prússia tenha perdido pouco mais de uma centena de soldados, ao passo que no lado francês, tenha se perdido mais de oito mil homens. Entre os milhares de mortos, estava também o jovem pintor Frédérick Bazille. Encerrada a guerra, os artistas franceses retomam suas atividades em Paris. A França, porém, passaria ainda por anos de crise até a estabilização efetiva do regime. A monarquia de Napoleão III tombara na guerra.  Em 1871, o povo em armas proclama a Comuna de Paris, que é violentamente esmagada poucas semanas mais tarde. É montada sobre um enorme aparelho repressivo que será erguida a Terceira República Francesa.  É também sobre este governo que o impressionismo irá se desenvolver plenamente.  A nova pintura seria uma das manifestações desta crise, desenvolvendo-se como uma corrente marginal das artes.  Não é casual, portanto, que o movimento tenha atingido seu momento mais importante nos anos que se seguiram a esta crise, e não antes.  A obra de Bazille, neste sentido, apresenta-se hoje como uma pintura irrealizada, um impressionismo que nunca chegou a florescer plenamente. SOBRE A AVALIAÇÃO  Em virtude da história da vida e escassez de obras do artista há potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho. Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para o ano de 2020 no valor de USD 1.000.000,00 LA COTE DES PEINTRES – 1985 a 2005 fls. 80 https://www.artprice.com www.akoun.com RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.
Madge Gill - O.S.C 71 x 34

Lote 00007

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 25.000,00
Incremento R$ 1.000,00
Lances 0 Visitas 120
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Madge Gill - O.S.C 71 x 34
MADGE GILL (Londres, Inglaterra, 1882-1961) O.S.C 71 x 34 cm Madge Gill (nascida Maude Ethel Eades; 1882-1961) é uma das mais aclamadas artistas espiritualistas e é considerada por alguns comentaristas como a personificação da arte autodidata. [Image at right] Seu trabalho foi defendido por Jean Dubuffet, André Breton e vários defensores da arte brut, automatismo psíquico e criatividade não mediada. Outros espiritualistas a precederam na criação de obras mediúnicas (por exemplo, Victor Hugo, Vitorien Sardou, Georgiana Houghton, David Duguid, Hilma af Klint, Augustin Lesage, etc.), mas a produção artística prolífica de Gill tem sido cada vez mais reconhecida, com exposições e publicações. internacionalmente. Durante sua vida, Gill criou milhares de obras de arte, no que ela descreveu como um estado de transe mediúnico. Sua arte é caracterizada por padrões geométricos rodopiantes e intrincados desenhos, ziguezagues e áreas quadriculadas, espirais e labirintos, escadas e formas arquitetônicas, com faces femininas flutuando, observando as formas ectoplasmáticas em cascata de suas composições.  A expressão enigmática nos olhos e na face desta figura recorrente aparece como melancólica, temerosa ou assustada, enquanto em algumas instâncias parece curioso, calmo ou satisfeito.  De acordo com Gill, cada um desses rostos tinha significados, mas ela nunca especificou o que  A participação de Gill no Espiritismo forneceu um caminho que a ajudou a confrontar suas experiências de abandono na infância, a perda de entes queridos, doenças e outras crises da vida, e criou a possibilidade de cura e bem-estar em algum grau. Nos últimos anos, o trabalho de Gill também tem sido exibido em vários contextos de arte brut e outsider internacionalmente, e inspirou vários artistas e músicos. Estes incluem o cantor britânico David Tibet, cujo grupo Myrninerest lançou o álbum: "Jhonn", pronunciou Babilônia (2012) e que co-publicou um livro de postais de Gill intitulado MYRNINEREST (Tibet e Boxer 2013). O trabalho de Gill é singular em sua maestria e complexidade, e embora expresse uma visão exclusivamente privada, não é inteiramente "fora" da cultura, como foi produzido dentro do contexto do Espiritismo, um movimento religioso global que atraiu milhões de crentes.  SOBRE A AVALIAÇÃO  Menciona-se que devido a diminuição da disponibilidade de obras do período e do artista traz potencial para valorização. USD300.000 LA COTE DES PEINTRES – 1985 a 2005 fls. 80 https://www.artprice.com www.akoun.com Ayad, Sara. 2013. "Madge Gill: A Cronology". Madge Gill: Média e Visionária: Exposição Retrospectiva, 5 Outubro 2013 – 26 Janeiro 2014editado por Mark De Novellis. Twickenham, Reino Unido: Orleans House Gallery. Cardeal, Roger. 1972. Arte Outsider. Londres: Studio Vista. Cardeal, Roger. nd “A Vida de Madge Gill.” Acessado em http://madgegill.com/Biography no 12 December 2017. De Novellis, Mark, ed. 2013. Madge Gill: Média e Visionária: Exposição Retrospectiva, 5 Outubro 2013 – 26 Janeiro 2014. Twickenham, Reino Unido: Orleans House Gallery. Gill, Laurie. 1926. “Myrninerest the Spheres.” Não. 1 (março). Folha larga. Publicação privada. Grant, Simon, Lars Bang Larsen e Marco Pasi. 2016. Georgiana Houghton: desenhos de espírito. Londres: Pul Holberton. Introvigne, Massimo. 2017. “Espiritismo e artes visuais” Projeto de Religiões e Espiritualidades do Mundo, Agosto 2. Acessado de https://wrldrels.org/2017/08/02/ spiritualism-and-the-visual-arts/ em 23 2017 outubro. Peiry, Lucienne. 2001. Art Brut: as origens da arte do estranho. Tradução de James Frank. Paris: Flammarion. Rhodes, Colin. 2000. Arte Outsider: Alternativas Espontâneas. Londres: Tamisa e Hudson. Tibet, David e Henry Boxer, eds. 2013. Myrninerest. Londres: a esfera. Wojcik, Daniel. 2016. Outsider Art: Visionary Worlds and Trauma. Jackson: University Press of Mississippi.  RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.  
Maria Antonieta Nasser Leone

Lote 00008

Valores Atualizados
Avaliação R$ 0,00
Lance mínimo 1º leilão R$ 12.000,00
Incremento R$ 1.000,00
Lances 0 Visitas 147
Visualizar lote completo
Sem licitante
Maior Lance Usuário
Maria Antonieta Nasser Leone
MARIA ANTONIETA NASSER LEONE (Uberlândia, MG 1944) O.S. Tela 80 x 59,5 cm A obra de grande nome nacional. Apresenta desgaste, todavia a pintura não está comprometida, estando preservada, estando no geral em bom estado de conservação. Menciona-se que não foi encontrado cotação ou venda especifica em leilões, todavia o artista traz potencial para valorização. SOBRE A AVALIAÇÃO  Em virtude da história da vida e escassez de obras do artista há potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho. Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para o ano de 2020 no valor de USD 100.000 (cem mil dólares americanos). M. A. Nasser Leone. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em:  http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa10150/m-a-nasser-leone>. Acesso em: 09 de Jun. 2018. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7 RESPONSÁVEL PELA AVALIAÇÃO e AUTENTICIDADE da OBRA: Angel Enrique Garrido, argentino, jornalista, portador do RNE n. U1020580, galerista, agente conveniado da Christies e Sothebys.